Sebrae maio 1

Sebrae maio 1
Consultores

quinta-feira, 2 de dezembro de 2021

Turismo deve abrir 468 mil vagas no Brasil

Coluna Minas Turismo Gerais Jornalista Sérgio Moreira  

Com as fronteiras se fechando em todo o mundo, o turismo internacional ficou inviabilizado no auge da pandemia. O resultado é que muitos turistas brasileiros se encantaram ao conhecer melhor o Brasil, movimentando a economia, aperfeiçoando serviços e gerando oportunidades. E o setor acredita que, mesmo com a reabertura de alguns países para os turistas brasileiros, essa descoberta de destinos nacionais é um ganho que veio para ficar.

“O desafio é manter isso. Muitos acreditam que, quando as fronteiras se abrirem totalmente, este turista voltará a viajar para o exterior. Eu não acredito nisso. Acho que muitos descobriram um país que não conheciam e vão considerar destinos nacionais nas próximas férias”, afirmou Jerome Cadier, CEO da Latam Brasil, exemplificando: “O Brasil tem muito mais a oferecer, é muito mais bonito que destinos como Cancún.”

Ele está confiante que este movimento se mantenha mesmo com a reabertura de fronteiras no exterior para brasileiros vacinados: “Estamos ampliando nossa malha. Passaremos dos atuais 45 destinos para 56 destinos domésticos no fim do primeiro trimestre de 2022”, conta ele.

História das Minas Gerais: DE 3 PEÇAS DE QUEIJO PARA 3 TONELADAS!

Nas montanhas altas e frias do Sul de Minas, a pequena cidade de Alagoa - a mais alta das Terras Altas da Mantiqueira - é berço daQueijo D´Alagoa-MG, empresa mineira pioneira na venda de queijo pela internet e na entrega em todo o Brasil que completa 12 anos neste mês de Novembro comercializando mais de 3 toneladas/mês, provenientes de 10 famílias de pequenos produtores de queijo em Alagoa.

No início, novembro de 2009, foram apenas 3 pecinhas de queijo.

O senhor Jeremias Sene era tropeiro, empilhava os queijos embrulhados em folhas de bananeira dentro de balaios de bambu, colocava-os em cima do lombo dos burros e atravessava a Serra da Mantiqueira por trilhas e caminhos rudimentares para vender os queijos no Vale do Paraíba-SP, e por vezes, em Resende-RJ. 

Os anos passaram. Os tempos evoluíram.

Seu bisneto, Osvaldo Martins de Barros Filho buscou ajuda no SEBRAE-MG e tornou-se tropeiro digital ao fundar a Queijo D'Alagoa-MG em 2009 para ajudar o Sô Batistinha, produtor de queijo que na época enfrentava dificuldades pra escoar a produção, pois a pessoa que comprava seu queijo pagava um preço irrisório e tinha a bárbara coragem de dar um cheque para 40 dias.

Isso mudou. No início de tudo o propósito era ajudar o Sô Batistinha com os queijos. Com o passar dos anos ficou notório que a missão foi muito além!

Osvaldo  Filho

Atualmente diversas famílias de pequenos produtores de queijo são parceiras da Queijo D’Alagoa-MG que através dos Correios e transportadoras consegue entregar os queijos de Norte a Sul do Brasil. "No começo nenhuma transportadora aceitava vir coletar os queijos aqui, liguei para várias. Hoje, graças a Deus, são as transportadoras que ligam oferecendo de vir buscar os queijos" relata Osvaldo Filho.

O negócio virtual da Queijo D’Alagoa-MG iniciou uma transformação social no município de Alagoa reconhecendo a importância do produtor e agregando valor ao produto; preservando a história, cultura e tradição; movimentando a economia local; fomentando o turismo e promovendo Alagoa como destino turístico e ainda mantendo a agência dos Correios aberta com o contrato de postagem.

Para comemorar o aniversário a queijaria abriu vaga para Degustador(a) de Queijo. Interessados em concorrer a vaga basta seguir as regras elencadas no instagram @queijodalagoamg

São diversos tipos de queijos

Site: www.queijodalagoa.com.br  Instagram: www.instagram.com/queijodalagoamg 

AEROPORTO INTERNACIONAL DE BH, de Minas para o mundo


Uma parte do aeroporto está fechado para obras

O Aeroporto Internacional de Belo Horizonte, em Confins, entra agora em uma nova etapa na reforma do Terminal de Passageiros 1. Desde o dia 9 de novembro, começam as obras na sala de embarque. O projeto de modernização, assinado pelo escritório Fernandes Arquitetos Associados, prevê a ampliação das áreas comerciais, assim como a revisão dos fluxos e processos – que englobam raio-X, check-in, restituição de bagagens, salas e portões de embarque. A estimativa é que essa etapa da reforma tenha duração de 14 meses.


O objetivo das obras é oferecer ainda mais conforto e comodidade a passageiros, visitantes e toda a comunidade aeroportuária, bem como ampliar as áreas comerciais no terminal em mais de 100%. “Com a reforma, o aeroporto entra em um novo patamar de excelência. Além de melhorar significativamente a eficiência operacional, as intervenções vão permitir que as pessoas tenham a melhor experiência ao circular pelo terminal, bem como mais conforto e opções de compras”, avalia Gustavo Anfra, gestor de Desenvolvimento Aeroportuário da BH Airport.  

  

A reforma do terminal está dividida em etapas. Inicialmente, ao longo do primeiro semestre deste ano, ocorreu a transferência dos escritórios das companhias aéreas e órgãos públicos do térreo e primeiro pavimento para outros setores do aeroporto. Agora, começa efetivamente a fase de reforma dos espaços. 


Algumas mudanças já foram colocadas em prática desde domingo (7), como a abertura dos portões de embarque doméstico de 23 a 30, do Terminal de Passageiros 2. O fechamento dos portões de 1 a 6, do Terminal de Passageiros 1, assim como a mudança do canal de inspeção, que passará a funcionar próximo à Polícia Federal, também no primeiro pavimento. 


Nessa nova estrutura, o passageiro contará com o mesmo volume de esteiras, o que garante o fluxo e atendimento aos usuários.


“O aeroporto já atua para informar ao público sobre a reforma e possíveis alterações, para que os passageiros embarquem com tranquilidade e que não haja impactos durante essa fase de transição. Vamos operar em 100% no Terminal de Passageiros 2. Sinalizações já estão realocadas pelo terminal e a concessionária está à disposição para esclarecer as dúvidas. O foco permanece em oferecer a melhor experiência a todos que passam por aqui”, frisa Anfra.

 

Investimentos na reforma

 

As intervenções no Terminal de Passageiros 1 demandarão investimentos da ordem de R$ 100 milhões e vão contribuir para fortalecer o papel do aeroporto como indutor do crescimento e desenvolvimento socioeconômico do Estado. Com o apoio dos acionistas, o terminal terá sua infraestrutura transformada, o que trará um ambiente mais moderno e pronto para conectar Minas Gerais com os demais estados brasileiros e também com o mundo.

 

Todos os investimentos realizados pelo aeroporto desde o início da concessão, em 2014, refletem diretamente na qualidade da prestação de serviços aos passageiros, visitantes e comunidade aeroportuária. 


O conceito arquitetônico é um dos destaques da reforma, uma vez que visa transformar a antiga estrutura em uma nova ambiência que atenda as demandas atuais de movimentação, sem descaracterizar o projeto original, de autoria do arquiteto Milton Ramos. “A ideia desse novo conceito é trazer para o terminal uma matriz conceitual com o lema ‘De Minas para o Mundo’. O intuito é que a arquitetura se caracterize como um meio potente de identificação e valorização da história e da cultura mineira”, explica Anfra. 


Minas Gerais é um dos estados brasileiros mais ricos em tradições culturais, com uma grande variedade de influências. Com isso, o escritório de arquitetura selecionou três fortes elementos de representatividade para guiar a proposta para o novo projeto do terminal. A tradição do barroco, a topografia mineira e o modernismo presente nas formas do projeto original do aeroporto – todos eles também possuem características comuns, como a plasticidade, o elemento curvo, a expressividade e a relação com a paisagem.


Construído há mais de 30 anos, o terminal de passageiros 1 tem arquitetura e estética marcadas pelo concreto. Com o projeto de reforma e modernização, o intuito é compor harmonicamente as áreas existentes com novos materiais e texturas.


Atualmente, a área de embarque/desembarque já oferece uma organização espacial e de fluxos claros. O projeto luminotécnico terá papel essencial e vai destacar a materialidade do concreto aparente, compondo com o novo fechamento em painel amadeirado, além de trazer um elemento estético que unifica toda a sala de embarque.

  

Com a nova reorganização espacial do primeiro pavimento, haverá ampliação da área dos canais de inspeção. 


A reforma da sala de embarque tem o intuito de reorganizar os fluxos, possibilitar o deslocamento eficiente entre os portões, ao mesmo tempo em que estimula os passageiros a aproveitarem as opções do novo mix de lojas, com confortáveis áreas de estar, cafés, restaurantes e varejo. 


Conforme o escritório de arquitetura, a nova materialidade busca uma harmonia entre o concreto original, o granito do piso, testeiras das lojas e novos materiais adicionados. Os elementos nos forros, portões de embarque e área de longarinas aliam a funcionalidade desses materiais à intenção de preparar o terminal para o futuro, ao mesmo tempo que reforçam características da tradição mineira.


Outro elemento marcante é a topografia do Estado, representada pelas formas orgânicas do forro, instalado nas áreas de espera e de formação de filas junto aos portões de embarque. Cada trecho entre os portões representa no teto a topografia de uma montanha de Minas Gerais.


Nos portões de embarque, o escritório de arquitetura buscou as diversas contribuições artísticas e arquitetônicas do barroco mineiro com as portas de arte sacra, que marcam esse portal de chegadas e partidas do universo mineiro. A ideia é que cada portão receba uma aplicação de chapa metálica perfurada que faz referência às portas das igrejas de Minas Gerais.

Coluna Minas Turismo Gerais Jornalista Sérgio Moreira   @sergiomoreira63  informações para sergio51moreira@bol. com.br

 


Nenhum comentário:

Postar um comentário